header-area-background-wrapper
Menu
site-banner
center-right-menu

As Ilhas Virgens Britânicas continuam a introduzir desenvolvimentos regulamentares positivos

19 March 2017
Tem havido vários desenvolvimentos positivos para a indústria de fundos nas Ilhas Virgens Britânicas. Um deles inclui a criação de um regime "opt-in" da Directiva dos Gestores deFundos de Investimento Alternativos (DGFIA) para as Ilhas Virgens Britânicas, denominados de regulamentos para títulos e valores mobiliários e actividades de investimento, enquanto que as Ilhas Virgens Britânicas buscam a aprovação do regulador europeu, a Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA), por equivalência a terceiro país e introduz nas Ilhas Virgens Britânicas um regime equivalente à DGFIA
 
"Em segundo lugar, há um trabalho bastante avançado na atualização Lei de Parceria das Ilhas Virgens Britânicas. Este estatuto será atualizado e deverá ser finalizado durante 2017. Isto irá aumentar o regime de parceria das Ilhas Virgens Britânicas numa altura em que outras jurisdições também pretendem atualizar os seus regimes equivalentes", afirma Simon Schilder, sedeado em Jersey, sócio da Ogier e chefe da sociedade comercial de Fundos de Investimento das Ilhas Virgens Britânicas.
 
E continua: "Há também aprimoramentos nos oleodutos que estão a ser feitos ao abrigo dos Regulamentos de Empresa de Carteira Segregada (sigla em inglês, "SPC") das Ilhas Virgens Britânicas. A principal mudança inclui abrir o produto para acomodar uma ampla gama de oportunidades que existem hoje. Atualmente, apenas um é capaz de utilizar as Empresa de Carteira Segregada para fundos abertos e para companhias de seguros. As novas melhorias irão expandir os tipos de estruturas que podem utilizar uma estrutura de Empresa de Carteira Segregada de forma significativa, de maneira a permitir que fundos fechados recorram a estruturas das "SPC". Esta é uma boa notícia, uma vez que continuamos a ver o interesse dos gestores para utilizar estruturas das "SPC", uma vez agradam aos gestores a capacidade de delimitação legal oferecida".
 
www.hedgeweek.com